Coração Infeccionado

27 08 2009

MÁGOA DA RAIVA

MACHUCA MAIS

QUE FERIDA ABERTA

QUE SANGRIA DESATADA

UM ATO FURIOSO

MUDO

UM ESTAMPIDO

SURDO

QUISERA A RAIVA

TER PODER

DE VOZ

DESENVOLVER

ATÉ DISSIPAR

RAIVA SEM LUGAR

NEM DOCE

NEM AMARGO

LAR

INFLAMANDO

INFLAMANDO

INFLAMANDO

SEM CONTINÊNCIA

PERDENDO RESPEITO

ADMIRAÇÃO

FAGOCITANDO TUDO

ATÉ SOBRAR

PURO

UM PUS

DE ÓDIO





Saudade II

3 08 2009

SAUDADE
Saudade é um pouco como fome.
Só passa quando se come a presença.
Mas às vezes a saudade é tão profunda
que a presença é pouco:
quer-se absorver a outra pessoa toda.
Essa vontade de um ser o outro
para uma unificação inteira
é um dos sentimentos mais urgentes
que se tem na vida.

Clarice Lispector

09410003

Quero me retratar com a saudade, não continuo, preferindo sentir falta a saudades, contudo não há de se negar, nem sonegar, seu devido valor. Quero me retratar com a saudade, deixar que venha, quando for preciso, uma visita de um parente distante. Nos surpreende e embaraça. Ao mesmo tempo que sentimos que faz parte, não temos intimidade, nem temos aquela familiaridade que se perde quando não se convive. Se a saudade quiser, dou-lhe hospedagem.

Como não sou íntima da saudade, não me aprofundo, temos um diálogo superficial, falamos da chuva fora de época dessas semanas, contamos amenidades do cotidiano acompanhadas de breves comentários dispensáveis e depois de poucas horas finda o assunto. Domina o silêncio, olhamos para o nada. A presença causa incômodo, desconserta. E então aquela hóspede carismática, que parecia tão inofensiva, se transforma.

Então entendo porque a saudade não é bem vinda. Quero despachá-la logo, xô, xô, xô! Tem uma exigência inflexível, intolerante. Nada basta, nada basta! Não se pode contentá-la, que dirá satisfazê-la! Não… Cadê aquilo que me pede? Tem vontades extravagantes. E no fundo… O que mais desejo é agradá-la, mesmo que sua vontade seja odiosa, quero me retratar com a saudade.